Monday morning

Em 01.07.2013   Arquivado em Pratododia
foto_alarmeA foto é daqui

Fui dar uma volta de táxi semana passada. Eu desci, meu celular continuou a viagem. Sem volta, aliás: o dito cujo não quis saber de voltar para o fundo da minha bolsa e, desde então, sou uma pessoa parcialmente incomunicável. Você ainda pode ligar aqui em casa, se quiser, mas não recomendo já que evito ao máximo atendê-lo. Pretendo normalizar a situação o quanto antes, mas não é como se estivesse morrendo.

Depois de sete dias, o veredito é certo: atrapalha um pouco em alguns momentos – como quando vivencio algum episódio inusitado e quero compartilhar com meu namorado ou apenas pelo prazer de mandar um ‘<3’ pra ele –, mas não estou em crise de abstinência. Não sinto tanta falta de postar fotos no Instagram, nem tampouco de verificar o Facebook a cada cinco minutos. Não fico irritada com o péssimo sinal do 3G, nem preciso me preocupar em atender ou retornar ligações (detesto falar no telefone). Se antes passava o trajeto estágio-casa jogando CandyCrush, agora voltei a ler: comecei e terminei O oceano no fim do caminho, do Neil Gaiman. Em plena sexta-feira de congestionamento.

Mas confesso que dentre a gama interminável de funções e aplicativos do iPhone, o que mais faz falta é o alarme. Sim, o bom e velho alarme que me acorda todas as manhãs e que faz papel de mãe, me lembrando de tomar remédios. Sem ele, me atraso todo dia: a soneca, antes amaldiçoada, hoje é reverenciada como a salvadora das manhãs. “Ah, se tivesse ‘soneca’, poderia ter dormido mais 10 minutinhos sem problema algum”. Logo eu, que sempre fui do tipo de pessoa que acordava antes do despertador. Logo eu, que fico me sentindo mal quando me atraso e tenho pequenos surtos de ansiedade até concluir o trajeto. C’est la vie, se atrasar agora faz parte. Acho que isso diz muito sobre: a) o quão cansada estou ultimamente b) como estou me desprendendo da internet c) como gosto de dormir d) como preciso aprender a conviver com atrasos.

Moral do dia: o celular nem faz tanta falta assim. Mas preciso passar em uma loja de 1,99 e comprar um despertador.

  • Helen

    Em 01.07.2013

    Olha, só queria dizer que desde que li o link, tô com The Mamas and The Papas na cabeça, pensando em Monday Monday hahah
    Sobre o celular, fico feliz que tenha se desprendido um pouco o virtual, porque é disso que eu tô pecisando muito, e quando a gente admite é pq ta feia a coisa né? Até tive pesadelos com uma fase o Candy Crush com todos os obstáculos num nível só, invencível.
    Sobre perder o celular, isso é bem chato, minha preocupação não seria o aparelho em si, mas todo o arquivo armazenado (inclusive isso me lembra de que tenho que fazer backup urgente). Se algo acontecesse com o meu, acho que ficaria com um daqueles que nem câmera tem, e por um bom tempo.
    Boa sorte com o despertador, parabéns pela volta à leitura, foi a notícia mais bonita que vi no seu post. :10:

    Responder

  • Dasty-Sama

    Em 01.07.2013

    Aconteceu a mesma coisa comigo esses dias, mas eu não perdi o celular. Ele foi para o conserto porque acabei quebrando o display dele ):
    Nem senti falta dele por causa dos aplicativos ou da internet, mas, assim como você, senti falar do despertador! Também me atrasei para tudo e me esquecia de tomar meus remédios. Ainda bem que eles está de volta!

    Responder

  • Daniela Carvalho

    Em 01.07.2013

    Comigo aconteceu um pouquinho pior :11: , meu celular caiu na privada, hehehe, pois é, fiquei uns 2 meses sem, só que o pior mesmo era não saber as horas, eu saia pra algum lugar e não sabia que horas eram, eu ficava perdida, e sem contar que do mesmo jeito que você sentiu falta do despertador eu também senti, ai minha nossa, o relógio/despertador fazem muuuita falta!!

    http://blogdanielice.blogspot.com.br/

    :14: :14:

    Responder

  • niih

    Em 01.07.2013

    Fiquei pensando se ia ficar muito desesperada sem celular e cheguei a conclusão que não me faria falta alguma. O meu nem internet tem, aliás, basicamente uso pra me acordar de manhã (e assim como você, também acordo antes dele tocar). E ler no caminho até faculdade/etc é a melhor coisa! <3
    xx

    niih

    Responder

  • AnaLu

    Em 01.07.2013

    Hahaha que dó. :04:
    Mas é sempre com essas coisinhas poucas que percebemos como a nossa vida anda agitada depois da tecnologia.. :07:
    Tem vezes que eu mesma me controlo pra não tirar foto e mandar pro instagram.. Por exemplo: tiro 384734973487 fotos durante um mês.. Dai só no próximo eu mando tudo :)
    E eu também não vivo sem meu despertador.. Tanto pra acordar quanto pra remédios.. :03: Apesar que de manhã, quando vou pra faculdade, quando meu despertador toca, eu desligo ele e durmo com ele no meu colo na minha “soneca” hahaha :16: Daí ele no cantinho tem um botãozinho que acende a luz pra ver a hora.. Quando eu acordo eu vejo.. Ou bate o desespero na hora HAHAHAHA :D
    Ana Luísa
    http://9dadesasolta.wordpress.com

    Responder

  • Letícia

    Em 01.07.2013

    Cara, eu simplesmente não vivo sem meu celular e sem internet, e me orgulho disso. HAHHAHA
    Bem, pena perder um celular assim, esquecido, tadinho :12:
    Fofo aqui :14:

    Responder

  • Isabela Lins

    Em 01.07.2013

    Ri muito lendo esse post kkk
    Amei :14:
    Beijinhos, beijinhos…

    Responder

  • Angelica

    Em 01.07.2013

    Puxa… não sei o que seria da minha vida sem o meu querido iPhone. Minha vida ta todinha alí! Até para ler meus livros uso ele, imagina o meu desespero? hahaha

    Beijokas

    Responder

:18: :17: :16: :15: :14: :13: :12: :11: :10: :09: :08: :07: :06: :05: :04: :03: :02: :01: